#

UM SERVO - 90.111


Gilberto Camargos, nascido em 1964, Mineiro de Bom Despacho, servo (liderança) agregador de nascença, toda uma vida em prol da igualdade, da justiça, da legalidade, de oportunidades iguais, sempre lutou e luta pela humanização na elaboração de políticas públicas para que não exista comunidades carentes sem saneamento básico, sem fornecimento de água, sem rede elétrica, sem asfalto, sem atendimento a saúde, sem atendimento a educação.
 
 
Em sua região nativa batalhou e foi um servo reconhecido como líder, por seu trabalho nas regiões carentes percorreu Vários estados, sendo que em seu trabalho com a população ribeira do Rio São Francisco MG, BA, PE, AL, SE, foi reconhecido como recordista Brasileiro de meio ambiente por 3 vezes consecutivas.
 
Chegou em Brasília em 1980, mas continuou a manter negócios e servindo sua região nativa, morou pela primeira vez em Brazlândia onde começou  como servo lutando por moradias para todos que não tinham seus lares, participou ativamente da criação da Vila São José, depois da expansão do Setor “O”, depois da criação do Itapoã, depois Vicente Pires.  Mesmo tendo ajudado na criação de moradias para milhares de pessoas, sempre com trabalho voluntário, veio a ter seu primeiro imóvel no DF no Paranoá, uma chácara de 2 hectares ESCRITURADA e uma casa na quadra 14, também legalizada, comprada com o fruto de seu trabalho como servente de limpeza, vigilante, motorista, secretário, aviador, paraquedista, Repórter Fotografo, Jornalista. Imóveis esses que foram vendidos para comprar a atual casa onde Gilberto mora em Vicente Pires. Veio para Vicente Pires porque via nessa localidade uma oportunidade de mudanças, de transformações e um local
 
 que estava começando e podia ser moldado como uma cidade modelo para o DF e para o mundo e desde que aqui chegou, tem lutado com afinco para que a realidade seja o que o povo merece e não o que os oportunistas querem.
 
As ruas de terra e sem luz é uma boa lembrança e exemplo do que éramos, onde chegamos com muito trabalho, enfrentamentos de maquinas e de oportunistas e onde podemos  chegar.
 
Uma vida de trabalho voluntário muito intensa, mas graças a Deus muito feliz, pois a satisfação e a felicidade não vem de fora, mas de dentro, de conhecer a si mesmo e suas capacidades. Um servo inquieto que sempre gostou de enfrentar desafios pelo que é justo, conhecido e amado pela maioria, odiado e perseguido pelos que vivem das oportunidades ilegais.
 
“Eu nunca quis ser reconhecido como líder, mas como servo, hoje, é comum falar de lideranças, mas lá nos anos 80 poucos usava esse termo. Hoje a maioria se fazem de lideres para alcançar seus objetivos, mas liderar é apenas servir e posso dizer que o que sempre houve dentro de mim foi uma vontade enorme de realizar, de mudar o que não está bom, de fazer acontecer. Então, desde minha tenra idade, tendo mudar tudo que posso para ver um mundo melhor.”
 
Nunca quis ser parte da politica eleita, mas diante de incentivos e não aquentando mais a omissão de todos os poderes constituídos que continuam produzindo cenários de vida caótica para muitos em todo o Distrito Federal e no Brasil, como na Vila São José em Vicente Pires, Colônia Agrícola 26 de Setembro, Itapoã, Estrutural, Sol Nascente, Morro da Cruz,  regiões de Planaltina, Paranoá e tantas outras regiões, bem próximas do centro do poder brasileiro, se tornou impossível e inevitável não pensar em buscar uma força maior para que crianças, jovens, idosos  e moradores em geral dessas e de outras tantas comunidades, não fiquem sem condições de saúde adequadas e sem creches, sem educação, sem segurança... A ausência do Estado e a falta de comprometimento de nossos atuais políticos compromete e a esperança, mata a infância e, consequentemente, o futuro.
 
Não podemos mais viver tendo a capital do Brasil como exemplo de desigualdade para o país para o mundo, onde faltam oportunidades para todos. O abandono e a desigualdade interfere diretamente em questões como saúde e segurança pública.
 
Por esses e outros motivos que é urgente um pacto entre o povo de bem e os que querem entrar para mudar a politica assumindo a consciência, que quem está no poder, deve apenas servir.
 
A sociedade precisa entender e saber escolher, pois mudar é preciso, todos tem opção, podem continuar como está, ou ter um DF melhor, um mundo melhor.